Vertigem


Redopio nas voltas da minha própria vertigem
quero-te chão, braços e maõs
quero-te voz, olhar e imagem
quero-te tão somente em mim.
Danço na orla dos teus lábios
quero-te beijo, ternura e viagem
quero-te melodia e compasso binário
quero-te para além da miragem
Estende até mim esse pedaço de tempo
que ficou preso no espaço dos teus sonhos
e sonha-o comigo de braços ao vento
Encharca-me de pétalas de flores
de odores e fragâncias de ti
e desfalece comigo meu amor
Mas morre dentro de mim

Eterea

Fontes:
www.photobucket.com
www.www.oblogdalibelua.blogs.sapo.pt

1 comentários:

Passei para deixar-te um pouco de carinho e em rodopeio vou-me, tonta de vertigem. Beijos Elaine, fique com Deus.