Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente?


Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais — por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia — qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido.

Eu prefiro viver a ilusão do quase, quando estou 'quase' certa que desistindo naquele momento vou levar comigo uma coisa bonita. Quando eu 'quase' tenho certeza que insistir naquilo vai me fazer sofrer, que insistir em algo ou alguém pode não terminar da melhor maneira, que pode não ser do jeito que eu queria que fosse, eu jogo tudo pro alto, sem arrependimentos futuros! Eu prefiro viver com a incerteza de poder ter dado certo, que com a certeza de ter acabado em dor. Talvez loucura, medo, eu diria covardia, loucura quem sabe!

Caio Fernando Abreu

Fontes:
www.pensador.uol.com.br/texto
www.deia-oliveira.blogs.sapo.pt/imagem

3 comentários:

Zil Mar disse...

Adorei seu post....ahhhh Caio....como sabia de tudo...

Lindo....

bjo!

Zil

OIeee tem um desafio e um selinho pra vc no blog no post de hoje!!! bjos!

Carolina disse...

Engraçado,concordo com o texto do saudoso Caio, mas não ajo assim. Geralmente vou até o fim,esgoto todas as possibilidades, vou no fundo do poço porque de lá só tenho uma certeza há um impulso para voltar a tona.
Me arrebento,mas saio renovada de forças positivas.
Muito bom o post!
bjão