Eu Não Vivo Sem Ele


Quando eu era pequena o mundo girava e poucos tinham telefones residenciais. Mamãe se virava sem precisar de um telefone e todos tínhamos uma vida normal.
Quando a antiga empresa de telefonia da minha cidade disponibilizou linhas residenciais meu pai comprou uma e era caro e poucos tinham. Minha casa tinha telefone residencial mais poucos de meus amigos possuíam telefone em casa! O orelhão era de fichas e quando eu  precisava ligar usava as ditas fichas ou ligava a cobrar pra minha casa. Minha adolescência foi normal sempre saímos e mamãe nem papai pedia que ligássemos a cada dez minutos.
Quando o celular surgiu meu marido logo teve um ai começou a dependência. Com a facilidade de falar com ele quando tivesse vontade passei a ligar dez vezes por dia.
Hoje não vivo sem um celular e meus filhos, coitados não podem sair sem um, se eu não puder falar com ele a qualquer momento corto a saída e ficam em casa. Vai ao shopping, leva o celular, vai numa festa tem que levar celular, vai ao colégio leva celular! Eu dependo deste maldito aparelhinho para viver e fazer minha vida gira! PODE????

Elaine

7 comentários:

Debor@h disse...

Oi Elaine, é veradde como uma coisa pequena tem esse poder grande sobre nós. Antigamente não era assim e eu acho que era bem melhor.Hoje não temos sossego com ele, e todos podem nos encontrar a qualquer hora. Mas é bom no caso de encontrar filhos ou se acontece algo, ligar correndo para avisar, ou algo do tipo. Ai, como eu enrolo né, desculpas haha

Beijos meus

Olá Elaine
Tem andado triste, mas com razão obviamente. São estados de alma, umas vezes acentuam as tristezas, outras vezes as pequenas coisas da vida, nos trazem alegrias.
Sobre o seu post, eu sou completamente contra o telemóvel e apesar de o ter, às vezes até me esqueço dele em casa. Normalmente trago-o desligado e deixam-me mensagem e de vez enquanto eu ligo, para saber se há novidade ou quando preciso urgentemente de falar. Não questiono a sua importância, porque em certas ocasiões é de uma utilidade extrema. Estão sempre a «ralhar-me», mas eu sou assim!
Por mim agradeço o seu grande investimento nos blogues.
Um abraço

Dalva disse...

E pensar que toda essa tecnologia foi criada para o nosso conforto... e hoje parece que nos somos seus escravos.

Uma noite de paz!

Bjs.

Coisas que a gente compra por luxo e que depois viram necessidade, rssss
beijos

A Madrasta Má disse...

Quem consegue Elaine kkkkkkkkkkkkkk e a net então? sem ela me sinto "um naufrágo" e o note vira o wilson kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Bjinhos da Madrasta!

Carolina disse...

Não sei como a gente se virava sem telefone na adolescência e pior, sendo mãe, como a minha mãe ficava sem comunicação. Claro que se tratando de pais ele é uma ilusão de tranquilidade.
Mas falando sério nem que eu quisesse eu ficava sem celular ainda mais agora que você leva sua casa com ele afinal tem de tudo no bichinho.Fora isto o fato de que trabalho há 11 anos com telecom numa grande operadora. Então viciei de vez! hehehe

Sabe que tbém amo o reino Unido. Acho que na outra vida vivi por lá, especificamente na Inglaterra. tenho esta forte noção de ligação.

bjos queridos pra ti!

. disse...

André Agui.
É verdade.

Bjs